Quando as mulheres na Argentina e em toda a América Latina decidiram entrar em greve em 19 de outubro de 2016, a mobilização superou todas as expectativas. Organizada em questão de dias, a chamada ecoou por toda a América Latina e centenas de milhares de mulheres em todo o continente entraram em greve, marcharam e protestaram. A greve foi uma resposta imediata à brutal violação e assassinato de Lucía Perez, de dezesseis anos, em Mar del Plata, bem como a uma série de outros femicídios e repressão violenta no Encontro Nacional de Mulheres em Rosario.

Com os slogans “nem uma a menos” e “vivas nos queremos”, não só atingiram a questão do fim da violência contra as mulheres, mas também destacaram a conexão entre essa violência e a violência econômica da desvalorização do trabalho feminino. Essa insistência na relação entre a violência masculina e a desvalorização do trabalho feminino foi uma das mensagens centrais da greve e princípios organizadores.

A greve serviu assim para tornar o trabalho das mulheres visível: trabalho formal e trabalho informal, remunerado e não remunerado, trabalho reprodutivo, trabalho emocional. As mulheres não só saíram de seus locais de trabalho para marchar, mas também se recusaram a cozinhar, limpar, cuidar de crianças, sorrir, cuidar. Já não se consideravam vítimas da violência masculina e das instituições patriarcais, as mulheres eram capazes de testemunhar seu imenso poder político e econômico. E este poder não foi deixado na marcha, mas levado para casa, levado para o trabalho no dia seguinte, levado às ruas, com mulheres renegociando a divisão do trabalho doméstico, denunciando o sexismo em casa e no trabalho, abandonando relações abusivas, e solidificando redes de atendimento e apoio entre mulheres.

[…] a greve também deixou claro que essas mulheres não iriam esperar que o Estado solucionasse seus problemas.

A greve estabeleceu uma conexão clara entre a violência masculina e as restrições à autonomia econômica e corporal das mulheres. O apelo para a greve enfatizou como a insegurança econômica das mulheres também as torna mais vulneráveis ​​à violência masculina, como as mulheres pobres são as que não têm acesso ao aborto seguro e legal e, assim, sofrem mais com sua criminalização, como a reestruturação neoliberal deixa as mulheres com um fardo a mais para a reprodução social. Embora ainda pedindo reformas legislativas e mais financiamento para a programação governamental que aborda a violência e a pobreza, a greve também deixou claro que essas mulheres não iriam esperar que o Estado solucionasse seus problemas.

Ao chamar a greve de outubro, essas mulheres argentinas também estavam liderando a luta contra as políticas neoconservadoras do Presidente Maurício Macri. Durante meses, a direção sindical negociou os direitos e os salários dos trabalhadores, evitando uma estratégia mais conflituosa. Dessa maneira, foram as mulheres argentinas quem chamaram o que veio a ser a primeira greve geral contra Macri e uma das maiores instâncias de oposição ao seu governo. Juntamente com o foco na violência masculina, a greve protestou contra os aumentos de preços para as empresas de serviços públicos e transporte público, a falta de financiamento das escolas, os cortes nos serviços de saúde e outros serviços sociais, demonstrando como as mulheres são particularmente afetadas por essas políticas.

19 de outubro não foi o único dia em que as mulheres entraram em greve naquele mês. As mulheres na Polônia haviam feito uma greve no dia 3 de outubro para protestar contra a introdução de uma nova legislação anti-aborto. Em ambos os casos, as mulheres dos países vizinhos atenderam ao apelo e, em muitos casos, decidiram organizar greves solidárias que também chamaram a atenção para as lutas das mulheres locais. Foi a partir dessas recentes lutas que o chamado se originou para uma Greve Internacional de Mulheres no Dia Internacional da Mulher.

 

Violência e trabalho das mulheres

Enquanto as mulheres, como mostra a história do Dia Internacional da Mulher, sempre lutaram em relação ao trabalho assalariado e também participaram de lutas trabalhistas militantes com os homens, a Greve das Mulheres como uma ferramenta particular é poderosa porque destaca explicitamente a heterogeneidade e a extensão do trabalho reprodutivo das mulheres . A onda de greves femininas ao redor do mundo no último ano não se concentrou principalmente em questões relacionadas ao emprego, mas usou a tática da greve para protestar contra a violência masculina e os ataques aos direitos reprodutivos. As greves também trouxeram à tona a questão da relação entre violência e exploração econômica.

Em 19 de outubro, as mulheres argentinas anunciaram que estavam em greve porque:

As variáveis econômicas continuam reproduzindo a violência masculina: porque nossos dias de trabalho são duas horas mais longos do que os dos homens, porque os cuidados e a reprodução caem sobre nossos ombros e não são valorizados no mercado de trabalho. Porque o desemprego é dois pontos mais elevados para as mulheres, porque a diferença salarial é em média de 27%. Ou seja, para um trabalho igual, as mulheres ganham muito menos do que os nossos companheiros. Num contexto de ajustamento estrutural, de aumentos tarifários, de aumento da pobreza e de um estado de contração como propõe o governo da Alianza Cambiemos, as mulheres ficam pior: a pobreza tem um rosto feminino e restringe a nossa liberdade de dizer não quando estamos dentro do ciclo de violência.

 

Existe uma relação fundamental e histórica entre os papéis reprodutivos das mulheres e a violência contra as mulheres. Silvia Federici mostra como a transição para o capitalismo “exigiu a transformação do corpo em uma máquina de trabalho e a subjugação das mulheres à reprodução da força de trabalho. Acima de tudo, exigia a destruição do poder das mulheres que, na Europa como na América, foi conseguida através do extermínio das “bruxas” [1]. Em outras palavras, entre todas as violências da acumulação primitiva, devemos incluir esta violência contra as mulheres, sua autonomia corporal e a subjugação a um papel reprodutivo específico.

A acumulação primitiva não implicava um episódio temporário violento, mas violência constante contra os corpos das mulheres. Violência para manter as mulheres em seu lugar, violência para forçar as mulheres a continuar desempenhando seu papel reprodutivo, violência para limitar o poder das mulheres de se organizar e resistir. A violência é necessária para separar as pessoas dos significados de sua reprodução e desencorajá-las de criar formas coletivas de reprodução fora dos processos de acumulação de capital [2].

Raquel Gutierrez Aguilar discute o confinamento das mulheres na esfera doméstica e a responsabilidade pelas tarefas reprodutivas como o que, em última instância, restringe nossa capacidade de estar “disponíveis para nós mesmas”, tanto em termos do trabalho que fazemos quanto do cuidado que prestamos e, em termos de nossas próprias subjetividades, sermos capazes de nos desenvolvermos plenamente de acordo com nossos próprios desejos. Nem nosso próprio trabalho nem nossos próprios corpos estão disponíveis para nós desfrutarmos. Este é um tipo de violência em que, como mulheres, não somos capazes de definir a nós mesmas ou controlar os nossos corpos ou o que eles produzem [3].

A estrutura e o conteúdo do trabalho das mulheres são feitos para tornar difícil para nós estarmos disponíveis para nós mesmas. É o que ficou claro na extensa investigação militante de Precarias a la Deriva com as trabalhadoras de Madri [4]. Foram trazidas uma série de derivas junto a diferentes operárias – trabalhadoras domésticas, assistentes sociais, enfermeiras, professoras, tradutoras freelance, profissionais do sexo – permitindo que elas vejam a cidade através dos olhos umas das outras e experiências corporificadas de atravessar a cidade, destacando a heterogeneidade do trabalho feminino, juntamente com alguns temas comuns. Se concentra na precariedade não como uma categoria abstrata que define um novo sujeito teórico, mas como características concretas do trabalho das mulheres quando a linha entre trabalho e vida é consistentemente borrada. Analisam a precariedade como uma forma de lenta violência econômica, cotidiana violência que põe em risco a vida das mulheres e é encarnada no estresse, ansiedade e doença.

O trabalho das mulheres ocorre em locais distintos em toda a paisagem urbana. […] é frequentemente o mais precário, faltando a estabilidade e as proteções legais.

Precarias a la Deriva analisa a precariedade em termos de novas formas de emprego, deslocamento dos tempos e espaços de trabalho, intensificação do processo de produção, incorporação de qualidades imperceptíveis (como comunicação, empatia, linguagem, atenção, atitude), cortes nos salários e perda de direitos. É importante destacar que a Precarias a la Deriva não só discute a precariedade em termos de seu impacto no emprego, mas também como um “conjunto de condições materiais e simbólicas que determinam uma incerteza em termos de acesso sustentado aos recursos essenciais para o pleno desenvolvimento da vida de uma pessoa” [5]. Em outras palavras, usa-se a precariedade para se referir tanto às condições de vida e de trabalho, quanto à produção e reprodução.

A geografia fragmentada do trabalho feminino e a maneira individual e isoladora em que tendemos a experimentar essa opressão sempre apresentaram desafios à sua organização. As mulheres trabalham sozinhas em suas casas ou em outras, em todas as horas do dia. O trabalho das mulheres ocorre em locais distintos em toda a paisagem urbana. Ocorre em hospitais, escolas, fábricas, call centers, na rua, no bairro, na casa, no quarto. O trabalho das mulheres é frequentemente o mais precário, faltando a estabilidade e as proteções legais. É muitas vezes fragmentado e disperso, tanto temporalmente como espacialmente. Frequentemente não pago e não reconhecido.

 

Por que greve?

É precisamente esta geografia fragmentada e dispersa do nosso trabalho que torna necessária uma greve de mulheres potencialmente tão poderosa. Uma greve serve para tornar nosso trabalho visível, para mostrar que o mundo não pode funcionar sem ele. Também serve para construir o nosso poder, para deixar os lugares onde realizamos o nosso trabalho isoladamente e os papéis que nos foram atribuídos, para nos encontrarmos e nos organizarmos.

A Greve de Mulheres assume um papel especialmente importante no que se refere ao trabalho doméstico e de cuidados que não é reconhecido. Em O Poder das Mulheres e a Subversão da Comunidade, Dalla Costa e James escrevem:

Temos de sair da casa; Devemos rejeitar o lar, porque queremos unir-nos com outras mulheres, lutar contra todas as situações que pressupõem que as mulheres ficarão em casa, ligar-se às lutas de todos aqueles que estão em guetos, se esse gueto é um berçário, Uma escola, um hospital, uma casa de idosos ou uma favela. Abandonar a casa já é uma forma de luta, já que os serviços sociais que realizamos ali deixariam de ser realizados nessas condições, e assim todos os que trabalham fora de casa exigiriam que o fardo que carregamos até agora Ser jogado diretamente onde ele pertence – sobre os ombros do capital … [6]

 

Mesmo que por um dia, recusar este lugar e o trabalho que nos foi atribuído torna esse trabalho visível pelo que é e abre a porta para exigir que o trabalho de reprodução e cuidado seja assumido como responsabilidades coletivas de todos.

A greve também serve para construir o poder das mulheres, tanto em relação a outros movimentos e dentro deles. Ela força uma definição expansiva e inclusiva do próprio trabalho. Como observa Gago ao discutir a greve de 19 de outubro na Argentina:

Outro ponto importante é que a noção de greve foi grandemente pluralizada. Por um lado, tiramos o monopólio desse instrumento dos sindicatos e, sobretudo, das fotos dos cinco homens [os líderes da grande federação sindical] que aparecem o tempo todo, que supostamente têm o poder de dizer “Decidimos quando há uma greve e quando não há” e, entretanto, eles vão negociando os termos de obediência e austeridade. O que fizemos foi, por um lado, ridicularizar esta situação e, por outro lado, remover essa ferramenta e reinventá-la. O que fizemos foi dizer “todas nós mulheres podemos atacar” nas condições em que estamos: empregadas, desempregadas, trabalhadoras formais ou informais, trabalhadoras precarizadas, donas de casa … e cada uma de nós vai inventar e se conectar e demonstrar como podemos fazer da greve um instrumento de insubordinação, de desprezo. Também problematizamos o que é um mapa de trabalho muito heterogêneo, especialmente no que diz respeito ao trabalho das mulheres, que é complementado pela enorme diferença salarial entre homens e mulheres, que atinge em média 27%. Essa complexidade do mundo do trabalho, isto é, o mundo da vida e do mundo do cuidado, o mundo do reconhecimento, o mundo dos salários e o mundo das relações familiares, foi paradoxalmente posto em movimento com a greve. Nesse sentido, a greve conseguiu conectar a questão da violência de gênero com a questão da violência econômica, política, social e cultural em um ato massivo.

 

Precarias a la Deriva, reconhecendo que as mulheres e trabalhadores precarizados foram marginalizados na chamada dos sindicatos para uma greve geral em 2003, pergunta: “como podemos inventar novas formas de ataque quando a produção é fragmentada e deslocada, quando é organizada de tal maneira que a cessação do trabalho por algumas horas (ou até mesmo 24 horas) não afeta necessariamente o processo de produção, e quando a nossa posição contratual é tão frágil que uma greve significa arriscar a nossa chance de continuar a trabalhar amanhã?” [7]. A Greve de Mulheres responde a esta pergunta, não se eximindo disso, mas ao colocar estas questões no centro, por pluralizar e dar abertura às formas de ação que a greve pode tomar e, fundamentalmente, deixando claro que é uma greve por TODAS as mulheres, independentemente do tipo de trabalho que fazem.

A greve também serve como uma forma de investigação, uma investigação sobre que tipos de trabalho as mulheres fazem, quando, onde, como e em quais condições. Uma investigação sobre as condições concretas e as lutas de diferentes mulheres em diferentes lugares. Ela torna visível as divisões e diferenças, um lembrete de que a “mulher” não é uma categoria universal claramente constituída. Isso mostra que algumas mulheres têm sido capazes de avançar sobre as costas de outras mulheres, deslocando esse trabalho reprodutivo sobre mulheres negras ou mulheres de outros países. Ou, como diz o manifesto do Ni Una Menos: “Paramos para visibilizar o fato de que, enquanto tarefas de cuidado não sejam uma responsabilidade de toda a sociedade, nos vemos obrigadas a reproduzir a exploração classista e colonial entre mulheres. Para ir ao trabalho, dependemos de outras mulheres. Para migrar, dependemos de outras mulheres”. As greves nos proporcionam a oportunidade de tornar essas hierarquias entre mulheres visíveis e começar a desafiá-las.

A greve, entretanto, nos permite encontrar umas às outros e, juntas, constituirmos um novo sujeito coletivo, reunindo nossos corpos em uma ação comum e território compartilhado. Assim como a mão-de-obra feminina assume muitas formas, a greve das mulheres também ocorre: a paralisação do trabalho, a paralisação, a marcha, o piquete, o bloqueio, o boicote às compras, recusando coletivamente os papéis de gênero. A greve ocorre em todos os lugares: em casas, escolas, mercados, bairros, ruas. E, tão importante quanto o que não fazemos, é o que fazemos em vez disso: tornar-nos disponíveis para nós mesmas e para cada uma de nós, permite criar nossas próprias formas de organização, práticas de autodefesa e estruturas de cuidado.

A greve é ​​perturbadora, é um risco. Mas as mulheres, naturalmente, não estão desfamiliarizadas com a tomada de riscos – nossas vidas cotidianas estão cheias de riscos, muitas vezes nossas próprias casas não são nem mesmo seguras. O poder da greve consiste em tornar esse risco coletivo e em criar um tempo e um espaço em que possamos estar disponíveis para nós mesmas e umas às outras.

Enquanto as tarefas domésticas são um pouco mais compartilhadas hoje e algumas mulheres têm um pouco mais de acesso ao emprego estável e bem remunerado, as mulheres nos Estados Unidos ainda têm inúmeras razões para greve. A violência masculina toca todos nós, em nossas casas, em nossos bairros, em nossas escolas e universidades, em nossos locais de trabalho, nos meios de comunicação. Nossos direitos reprodutivos e acesso a cuidados de saúde de qualidade acessível estão sob ataque em todo o país. As mulheres negras estão sendo marcadas e atacadas por policiais, mulheres nativas estão sendo estupradas e assassinadas, sobreviventes de violência doméstica estão sendo detidas pelo serviço de imigração. As mulheres são as que ficam para recolher os pertences quando as invasões e as proibições destroem as nossas comunidades, quando o bem-estar social e os benefícios do programa de assistência nutricional suplementar desaparecem, quando ficamos sem acesso a cuidados médicos. A dívida e o capitalismo financeirizado extraem valor de todas as nossas atividades diárias e colocam nossa própria existência em risco.

Fazer greve torna visível essa exploração e violência. E a greve também propõe outra coisa. Não apenas um dia, mas um mundo onde não temos que temer a violência masculina. Não apenas um dia, mas um mundo, onde o trabalho reprodutivo é compartilhado. Um mundo em que as mulheres não são definidas pelos deveres reprodutivos, em que nosso tempo e nossos corpos estão disponíveis para nós mesmas. Este é o outro lado da greve das mulheres: enquanto não estamos trabalhando para outras pessoas, estamos construindo poder para nós mesmas, práticas concretas e redes de auto-defesa e cuidado. Isso é inerente à organização necessária para tornar a greve possível: organizar o trabalho de cuidado necessário, paralisar fundos, apoiar redes que permitam às mulheres fugir do seu trabalho normal e tomar as ruas. A greve é ​​perturbadora, é um risco. Mas as mulheres, naturalmente, não estão desfamiliarizadas com a tomada de riscos – nossas vidas cotidianas estão cheias de riscos, muitas vezes nossas próprias casas não são nem mesmo seguras. O poder da greve consiste em tornar esse risco coletivo e em criar um tempo e um espaço em que possamos estar disponíveis para nós mesmas e umas às outras.

 

Referências

[1] Silvia Federici, Caliban and the Witch: Women, The Body, and Primitive Accumulation (Brooklyn: Autonomedia, 2014), 63.

[2] Silvia Federici, Revolution at Point Zero: Housework, Reproduction, and Feminist Struggle (Oakland: PM Press).

[3] Raquel Gutiérrez Aguilar, Desandar el laberinto. Introspección en la feminidad contemporánea (Buenos Aires: Tinta Limón, 2015).

[4] Precarias a la Deriva, A la deriva por los circuitos de la precariedad femenina (Madrid: Traficantes de Sueño, 2004).

[5] Precarias a la Deriva, A la deriva por los circuitos de la precariedad femenina (Madrid: Traficantes de Sueño, 2004). P. 28

[6] Mariarosa Dalla Costa and Selma James, The Power of Women and the Subversion of Community (Bristol, Falling Wall Press, 1975), 41.

[7] Precarias a la Deriva, A la deriva por los circuitos de la precariedad femenina (Madrid: Traficantes de Sueño, 2004). P. 21

 

Texto de Liz Mason-Deese
Fonte: Greve Internacional de Mulheres
CDHPF
Entidade da sociedade civil que articula indivíduos para apoiar organizações sociais que lutam pela garantia e promoção dos direitos humanos.

Deixe um comentário